17 de dezembro de 2008

O valor do Direito: caso da Raposa Serra do Sol

Paulo César Quartiero é um agrônomo gaúcho que emigrou a meados dos anos 70 do extremo sul para o extremo norte do Brasil (...), adquirindo fazendas por uma extensão total de cerca de dez mil hectares, situados na Raposa Serra do Sol (RSS), território indígena; um território desamparado frente a esse tipo de invasões.
Reconhecidos os direitos indígenas pela Constituição de 1988, demarcada e titulada a RSS provisoriamente em 1993 e de forma definitiva em 2005, (...) Quartiero se converte no líder da frente anti-indígena (...). Em maio de 2008, foi preso sob a acusação de possuir explosivos e manter grupos armados que haviam assassinado pelo menos dez indígenas e destruído as propriedades de muitos outros. Também é acusado de corrupção política por recorrer à compra de votos para aceder a cargos públicos no Estado de Roraima. (...)
Quartiero, com o respaldo incondicional do Estado de Roraima, consegue catalisar um forte lobby no qual participam pessoas ligadas ao jurídico, à universidade, à política e à polícia. Organizam-se conferências nas quais as autoridades de todas essas áreas explicam que a demarcação do território indígena atenta contra o direito do Brasil ao desenvolvimento e prejudica os próprios "índios" porque os separa da "civilização"; que um território indígena fronteiriço constitui um grave perigo à "soberania nacional", colocando em risco a integridade do Brasil; que tanto os antropólogos, quanto as organizações não governamentais converteram-se em outro perigo contra o direito e os interesses brasileiros; que a Declaração sobre os Direitos dos Povos Indígenas responde a uma conspiração internacional para debilitar os Estados emergentes da América Latina; (...) etc. A ofensiva cultural e política é forte em Brasília ante os poderes federais. Na Câmara dos Deputados formou-se uma Frente Parlamentar de Apoio às Forças Armadas na Amazônia, que não oculta os vínculos com os interesses dos fazendeiros invasores dos territórios indígenas.
A frente jurídica recorre também ao Supremo Tribunal Federal (STF), conseguindo a paralisação das iniciativas de organismos federais, como o Ministério de Justiça, o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (INCRA) e da Fundação Nacional do Índio (Funai), para sanear a RSS de invasões e ocupações. (...)
A parte indígena também opta pela via do direito e não pela da confrontação primariamente buscada por Quartiero e seu grupo. O STF se converte em um árbitro entre todas as partes, com aceitação também indígena. A questão torna-se fortemente polêmica para os onze membros do STF, provocando marcadas discrepâncias em seu seio. O ministro relator, o constitucionalista Carlos Augusto Ayres de Freitas Brito, assumiu o caso com tal interesse, paciência, dedicação e estudo que, contra prognóstico, vai conseguindo formar uma maioria favorável à parte indígena. Na audiência pública do dia 10 de dezembro manifestou-se a consistência dessa opinião que já pode, com segurança, ser considerada como a que será formalizada como sentença, que será ditada somente em 2009. E, por primeira vez na história, uma advogada indígena, Joênia Wapichana (Joênia Batista de Carvalho) atuou diante do STF.
(...)
Quartiero, por seu lado, não se mostra disposto a tornar as coisas fáceis para a execução da sentença. Suas declarações imediatas: "Lutamos para que a questão da demarcação fosse julgada, mas o resultado não foi o que esperávamos". E apressou-se a manifestar que não aceita: "O voto dos magistrados foi um voto rancoroso contra os produtores, contra os proprietários agrários, contra o Estado de Roraima; foi um voto ideológico, mais preocupado pelo politicamente correto do que pelos fatos". Abriga, todavia, a esperança de uma mudança: "A crise econômica está alcançando o Brasil e isso vai desmascarar o desgoverno, o ambientalismo e a desnacionalização". E gira, finalmente, do descaramento para a ameaça: "Não podemos continuar com situações tão vexatórias como a de acudir ao Supremo Tribunal Federal para que ser tachado de invasor, assassino de índios e destruidor da natureza"; "digo aos produtores que os problemas nunca vão acabar se não reagirmos. Hoje, são os índios", como amanhã, agrega, "serão outros". Já se vê aonde apontam em primeiro lugar as ameaças. Amanhã, dá a entender que os índios não estarão. O impulso é claramente genocida.
(...)
Bartolomé Clavero *
Publicado em Adital
Tradução: ADITAL


* Membro do Fórum Permanente das Nações Unidas para as Questões Indígenas

14 de dezembro de 2008

13 de dezembro de 2008

Preanúncio de vitória para a Raposa Serra do Sol!

A 10 de Dezembro, o Supremo Tribunal Federal (STF) do Brasil retomou o julgamento sobre a Raposa Serra do Sol, iniciado em 27 de Agosto. Dos 11 Ministros do STF, 08 votaram ontem e todos apoiaram a manutenção da terra indígena Raposa Serra do Sol nos termos da Homologação de 2005, isto é, em área contínua (e não em ilhas, como propunham os arrozeiros). Foi uma vitória histórica do movimento indígena.

O nono Ministro a emitir o seu voto “pediu vistas ao processo” (ou seja, tempo para rever e investigar mais alguns aspectos), impedindo que ontem a decisão fosse concluída (em princípio, o julgamento será retomado em Janeiro). Em todo o caso, já existe uma maioria suficiente que determina a confirmação de Raposa Serra do Sol.

Comemoração, mas ainda alguns conflitos

Apesar do final do julgamento ter sido adiado, os indígenas de Raposa Serra do Sol já comemoram o resultado. “Conseguimos a nossa terra contínua! Estamos muito felizes com essa vitória. Agora, espero que o julgamento seja retomado o quanto antes”, afirmou o líder Djacir Silva, do povo Makuxi.

No entanto, a advogada Joênia Barbosa, do povo Wapichana lamentou que o Supremo não tenha mantido a suspensão da retirada dos não-índios da área. “Tememos pela segurança na área, agora que os arrozeiros sabem que terão de sair”, comentou.

A preocupação de Joênia se confirmou algumas horas após o fim do julgamento. Na comunidade do Barro, em Raposa Serra do Sol, bombas caseiras foram lançadas contra indígenas que comemoravam os votos do STF.
Mas "não vamos reagir a provocações”, afirmou Marisete de Souza, Makuxi, do Conselho Indígena de Roraima (CIR). “Vamos continuar a luta, tentando ganhar os votos que restam. Estamos tranquilos, por que já temos 8 votos. Ninguém está pensando em conflito”, garantiu.

A reacção dos arrozeiros

A reacção dos produtores à votação no STF é de revolta e de indignação. Para já, vão manter plantações na reserva e afirmam que têm esperança de que os ministros mudem os seus votos quando o julgamento for retomado.
Diz o paranaense Nelson Itikawa, que preside à associação dos arrozeiros e também está há mais de 28 anos no Estado: "O ministro Marco Aurélio vai aprofundar [o estudo do caso] e deve expor a realidade do Estado. Os ministros que já votaram podem modificar seus votos. Nada é impossível."

(ler todo o artigo)

10 de dezembro de 2008

Andava a fazer falta poesia

Reconhecimento à Loucura


Já alguém sentiu a loucura
vestir de repente o nosso corpo?
Já.
E tomar a forma dos objectos?
Sim.
E acender relâmpagos no pensamento?
Também.
E às vezes parecer ser o fim?
Exactamente.
Como o cavalo do soneto de Ângelo de Lima?
Tal e qual.
E depois mostrar-nos o que há-de vir
muito melhor do que está?
E dar-nos a cheirar uma cor
que nos faz seguir viagem
sem paragem
nem resignação?
E sentirmo-nos empurrados pelos rins
na aula de descer abismos
e fazer dos abismos descidas de recreio
e covas de encher novidade?
E de uns fazer gigantes
e de outros alienados?
E fazer frente ao impossível
atrevidamente
e ganhar-Ihe, e ganhar-Ihe
a ponto do impossível ficar possível?
E quando tudo parece perfeito
poder-se ir ainda mais além?
E isto de desencantar vidas
aos que julgam que a vida é só uma?
E isto de haver sempre ainda mais uma maneira pra tudo?

Tu Só, loucura, és capaz de transformar
o mundo tantas vezes quantas sejam as necessárias para olhos individuais.
Só tu és capaz de fazer que tenham razão
tantas razões que hão-de viver juntas.
Tudo, excepto tu, é rotina peganhenta.
Só tu tens asas para dar
a quem tas vier buscar.

José de Almada Negreiros

6 de dezembro de 2008

A história das coisas...

Estou há aaanos... para pôr este vídeo aqui no blog.
Finalmente lembrei-me de que ainda não o tinha feito! Bom, aqui está.

São 20 minutos fantásticos e que valem MESMO a pena! Não percam:




Para ver o filme com mais qualidade directamente no site, vão a http://www.storyofstuff.com/

Para ver a versão legendada em português, cliquem aqui.

21 de novembro de 2008

Belíssimo discurso

...sobre como a vida escreve direito por linhas tortas, se soubermos dar-lhe espaço, e sobre como a morte pode ser inspiradora. Parece uma "banhada", talvez....

... mas talvez também não seja.

Números, pobreza e preconceitos

Acabam de ser publicados no blog da Audição "Dar voz aos pobres", dois posts com alguns dos dados que foram apresentados na própria audição de dia 8.
Graças aos powerpoints que passaram a estar acessíveis online, passamos a olhar de frente evidências como estas:

  • quando falamos de pobreza, referimo-nos a quem - segundo os dados do Eurostat - se situa abaixo de um limiar de pobreza definido como sendo 60% do rendimento mediano

  • em Portugal, isto significa:
    • Para 1 pessoa só (4 386 euros anuais ou 365,5 euros mensais)

    • Para 2 adultos e 2 menores de 14 anos (9 212 euros anuais ou 767,7 euros mensais)

  • ao confrontarmos este valor com a União Europeia, tornam-se evidentes as discrepâncias, já que os valores médios europeus são praticamente o dobro:
    • Para 1 pessoa só (8 368 euros anuais ou 697,3 euros mensais)

    • Para 2 adultos e 2 menores de 14 anos (17 573 euros anuais ou 1464,4 euros mensais)

  • Portugal é o segundo país da Europa (a seguir à Lituânia) com maior desigualdade entre ricos e pobres

Aceder ao powerpoint com estes dados (intitulado "Números que fazem pensar") aqui.

Mas há mais!

Como se não fosse suficiente sobreviver numa situação de pobreza, os pobres têm ainda de conviver com preconceitos que diariamente os confinam a um fatalismo altamente prejudicial.

De facto, o entendimento das causas da pobreza que têm os portugueses e os europeus em geral, é pré-cientifico e subjectivo:

«Os pobres são pobres porque:

  • Preguiçosos - "Não querem fazer nada"
  • Incompetentes - "Porque abandonaram a escola"
  • Dependentes - "E quem depende é quase sempre incompetente"
  • Responsáveis pela sua situação
  • Não credíveis - "O que torna prioritário o combate à fraude"
  • Perigosos - "Porque inevitavelmente reproduzem comportamentos associados"
  • Pertencentes a minorias »

Como podemos verificar a seguir, este entendimento é claramente não fundamentado:

  • «A maioria dos pobres trabalha, está desempregada ou já está reformada – só cerca de 27% é inactiva
  • Têm trabalhos pesados, longos e mal remunerados: múltiplos trabalhos, mal remunerados, impossibilidade de pouparem, impossibilidade de adquirirem mais competências para acederem a trabalhos mais bem remunerados,…
  • Das 126.621 famílias apoiadas pelo RSI (Rendimento Social de Inserção), só 44.780 não têm mais nenhum rendimento
  • 60 mil licenciados desempregados, dificilmente poderão ser considerados como incompetentes, bem como os milhares de trabalhadores que passaram por acções de formação profissional integradas no âmbito do RSI
  • 92% das acções de micro crédito são marcadas pelo sucesso, o que significa que os pobres são credíveis»

Ora, como sabe, "as etiquetas/rótulos eliminam as qualidades das pessoas, impedem-nas de demonstrar que não são incompetentes, forçam, muitas vezes, as pessoas a comportarem-se de acordo com essas mesmas etiquetas".

Aceder ao powerpoint com estes dados (intitulado "Aonde nos levam os preconceitos") aqui.

12 de novembro de 2008

Como decorreu a Audição

A Audição Pública "Dar voz aos pobres para erradicar a pobreza" correu muitíssimo bem, com uma sala cheia (e muita gente de pé!), testemunhos e participações muito interessantes e acolhidas com entusiasmo e muita vontade de mudança por toda a plateia.
No blog da audição já há dois artigos que descrevem um pouco da Audição e das conclusões que dela se tiraram.

Não deixem de consultá-las aqui.

Deixo um excerto:
.
********************************************
.
Audição pública «Dar voz aos pobres para erradicar a pobreza» juntou sociedade civil, políticos e igreja para reflexão conjunta sobre pobreza
.
Teresa Mota Costa, 42 anos, vive em lutas burocráticas diárias com a Segurança Social. Desempregada, tem a seu cargo dois filhos. Um deles, o André de 15 anos, tem paralisia cerebral. Vive sempre no limite, pois não tem dinheiro suficiente para elevados encargos. Não tem créditos porque também não tem dinheiro.
.
Marisa Correia e Ana Ribeiro, ambas sociólogas, trabalham na Rede Social de Loures, como funcionárias a recibos verdes. Não têm subsídio de Natal, de férias, de alimentação ou transportes. Não têm direito a seguros, subsídio de desemprego ou a indemnizações, sendo obrigadas a descontar do seu ordenado 20% para o IVA, a fazer 20% de retenção na fonte e a pagar, mensalmente, 150 euros à segurança social.
.
Pedro Jorge Santos fala de uma pobreza diferente. Toxicodependente, foi marginalizado e sentiu-se sem auto estima durante muitos anos. Há cinco anos que trabalha junta da instituição que lhe deu voz e se interessou por ele, a Comunidade Vida e Paz. Mais do que a ajuda financeira aponta a importância dos afectos e da atenção, e foram esses sentimentos que lhe salvaram a vida.
.
Domingas Augusto é guiniense, mãe de três filhos e responsável por um enteado. Alugava uma casa, e o seu companheiro tinha a responsabilidade de pagar 400 euros de renda mensal. Mas não o fazia. Com dívidas acomuladas, deixou-a. Foi despejada da sua casa e teve de resolver a sua vida e a dos filhos ao seu encargo.

Foram estes os pobres que, esta manhã, foram ouvidos na audição pública que decorreu este Sábado, numa organização da Comissão Nacional Justiça e Paz. Situações controladas, acompanhadas, vulgares, que de um momento para o outro, se descontrolaram. “Podia acontecer-me a mim", ouvia-se na plateia que encheu o Centro Cultural Franciscano, em Lisboa para ouvir os pobres.
“A pobreza é alvo de preconceitos circulares”, explicou Maria do Rosário Carneiro, vice presidente da CNJP aos presentes na audição. “os pobres são considerados preguiçosos, incompetentes, dependentes, responsáveis pela sua situação, não credíveis e perigosos”. Razões “não fundamentadas” para gerar preconceitos. “A maioria dos pobres trabalha, tem um emprego pesado, longo e mal pago. 60 mil licenciados estão desempregados”, indica.
.
Manuela Silva pergunta, “será que quem promove os preconceitos consegue viver, de forma digna, com 370 euros por mês?”

6 de novembro de 2008

A secura

Hoje dou por mim a escrever isto a jovens de 16 anos
(o mundo até já lhes deu cabo da esperança):


In questo mondo colpevole, che solo compra e disprezza,
il più colpevole sono io, inaridito dall'amarezza.


P.P. Pasolini, A me.

2 de novembro de 2008

Excerto do excelente documentário: THE CORPORATION





Capítulo 11: Basic Training

«Marketing has transformed itself into a sophisticated, pervasive force that extends into every part of our lives. Slick advertising campaigns are designed for the express purpose of manipulating children into buying products and training them to become mindless consumers of goods they don't really want. The Nag factor, a marketing study that evaluated the effect of nagging, was designed to teach children how to nag more effectively. Consumers are made, not born.»

Nag (nag)
Transitive verb
nagged, nagging nag′·ging
To annoy by continual scolding, faultfinding, complaining, urging, etc. So, to "nag" is to go on and on and on about the same thing, hoping to convince someone to do something.

1 de novembro de 2008

"Dar voz aos pobres para erradicar a pobreza"


Aproxima-se a Audição Pública, organizada pela CNJP, "Dar voz aos pobres para erradicar a pobreza".

Numa iniciativa inédita, serão reunidas "na mesma mesa, as pessoas que vivem ou viveram situações de pobreza e os responsáveis pelas políticas públicas e pelas organizações de solidariedade social, investigadores, e gente da cultura e da comunicação social", convidados entre os quais:

José Vieira da Silva - (Ministro do Trabalho e da Solidariedade)
Dom Carlos Azevedo (Presidente da Comissão Episcopal da Pastoral Social)
Jacinto Lucas Pires (escritor)
Henrique Pinto (teólogo, director da Revista Cais)
Ana Cardoso e Isabel Baptista (CESIS - Centro de Estudos para Intervenção Social)
Laborinho Lúcio (ex-ministro da Justiça)
Rogério Roque Amaro (ISCTE)
Alfredo Bruto da Costa (vice-presidente da CNJP e presidente do CES, Conselho Económico e Social )
Maria do Rosário Carneiro (vice-presidente da CNJP e actual deputada)

Dia 8 de Novembro, no Centro Cultural Franciscano (Largo da Luz).

Veja o programa completo aqui.
Consulte o blog da Audição aqui.

29 de outubro de 2008

UM NOVO MODELO DE BEM-ESTAR

(...)
Todos percebemos que as sucessivas e crescentemente graves crises que nos vêm atingindo têm como denominador comum o dinheiro:
(...) Deixámo-nos levar pela sede do dinheiro, mas também pelo imediato, pelo fácil, pelo "não estou para me chatear", gastamos acima das nossas posses, não somos capazes de introduzir hábitos mais moderados e sóbrios. Isso, nem pensar, pois daria de nós uma má imagem e até a sensação de sermos uns pobres pelintras.
E o resultado é que andamos muito mais "stressados", multiplicámos o uso de medicamentos psicotrópicos, procuramos sedativos que nos ajudem a ver cor-de-rosa um mundo que não nos agrada. Perdemos a noção do que é realmente importante na vida.
(...) Abandonamos o importante pelo urgente, trocamos o essencial pelo contingente!
Temos sempre tantas coisas "urgentes" que nos impedem de fazer o que é realmente importante.
Encontramos alguém que gostaria que o ouvíssemos um bocadinho (importante), mas já vamos atrasados para uma reunião (urgente). Temos os filhos em casa a precisar de um momento de atenção (importante) mas surgiu um problema no escritório (urgente) e só chegamos noite dentro, cansados e incapazes de um gesto de carinho. Temos amigos a visitar ou a quem telefonar (importante) mas precisamos de acabar um trabalho (urgente) e fica para a próxima. (...)
E assim vamos vivendo uma vida "estúpida" onde não há espaço para o relaxe, o convívio com os amigos, os tempos de silêncio connosco próprios, a contemplação do que é belo, onde só há espaço para as correrias, para as urgências do dia a dia. E mais tarde, quando já não há remédio, descobrimos que realmente levámos uma vida "estúpida". Percebemos tarde demais que com tantas urgências pouco urgentes não saboreámos nem demos a saborear o nosso amor aos filhos.
(...)
E (quem sabe?) se "ao chegarmos ao céu" S. Pedro, antes de nos deixar entrar, não nos perguntará: "Vens para aqui porque é urgente ou porque é importante?" Talvez a gestão correcta deste binómio urgente-importante nos possa ajudar a encontrar um novo modelo de bem-estar. Sim, porque nós fomos criados para sermos felizes.

22 de outubro de 2008

Bem-estar ou bem-ter?

Num mundo onde, anualmente, 40 milhões de pessoas morrem de fome, é necessário que os 20% da população que dissipam 80% dos recursos comecem a consumir menos.
Não poderá haver justiça sem o reequilíbrio desta proporção.
Adoptar consumos mais reduzidos é uma necessidade para reduzir o impacto social e ecológico; a nossa sociedade, de facto, não é sustentável.
(...)
Insustentabilidade significa que o consumo dos recursos, a sua transformação e a geração de resíduos dão-se a um ritmo mais acelerado do que a capacidade de recuperação por parte do planeta.
Se todos os países seguissem o estilo de vida dos países ricos, seriam necessários 5 ou 6 planetas para utilizar como minas e como lixeiras.
(...)
Não poderá haver o necessário para a sobrevivência de todos, se nós não reduzirmos os nossos consumos, quer eliminando o desperdício, quer habituando-nos a um estilo de vida mais simples.
(...) Talvez de início nos assuste a ideia de “ter menos”, mas na realidade estamos a falar de “viver melhor”: com mais relações, mais tempo, mais saúde, mais alegria. Uma família europeia possui em média 10.000 objectos; cada um destes requer tempo para ser escolhido, comprado, arrumado, rearrumado, limpo, protegido, arranjado e substituído. A não ser que sejamos coleccionadores de objectos, tudo isto é tempo a menos que temos à nossa disposição para fazer as coisas de que realmente gostamos.
Está demonstrado que, acima de um determinado limite, a quantidade de bens que possuímos é inversamente proporcional ao grau de satisfação que nos dão. Porque a felicidade nasce da profundidade e do significado de uma experiência, não da sua extensão.

(ler artigo completo)

18 de outubro de 2008

Conhece bem o mundo em que vive?

Se ainda não conhece estas bandeiras, clique sobre as imagens para ver bem os símbolos de cada uma delas

Angola

Burkina Faso


Brasil


Colômbia


Somália


China


EUA


União Europeia

Campanha publicitária de Ícaro Dória, Luis Silva Dias, João Roque, Andrea Vallenti and João Roque (agência publicitária FCB) a favor da revista "Grande Reportagem". A Campanha Stars and Stripes foi premiada com o Leão de Ouro no Festival Internacional de Publicidade de Cannes, em 2005.

1 de outubro de 2008

O blog de preparação da Audição Pública "Dar voz aos pobres para erradicar a pobreza" está em grande actividade, com artigos muito interessantes que procuram desmistificar a visão culpabilizadora do pobre que é vigente nas sociedades europeias

(vide dados do Eurobarómetro de 2006, que revelam que "Pobreza" e "Preguiça" aparecem na opinião pública frequentemente associadas).

Aconselhamos, pois, o blog: darvozaospobres.blogspot.com



25 de setembro de 2008

Todo em cada coisa



Para ser grande, sê inteiro: nada

Teu exagera ou exclui.

Sê todo em cada coisa. Põe quanto és

No mínimo que fazes.

Assim em cada lago a lua toda

Brilha, porque alta vive.


Ricardo Reis

24 de setembro de 2008

AMI apela à reutilização de consumíveis informáticos e de telemóveis



A reutilização destes equipamentos permite poupar matérias-primas e energia, ao mesmo tempo que reduz o volume de resíduos produzido.

A actual produção de resíduos e o consumo de matérias-primas e de energia não são comportáveis com as capacidades do planeta para os regenerar, e este problema torna-se ainda mais insustentável à medida que novos países se juntam ao grupo dos industrializados e consumistas, como é o caso actual da China e da Índia.

A solução para este problema pode passar por acções tão simples como reencher os seus tinteiros e toners vazios ou como enviar o seu telemóvel velho para países menos desenvolvidos, onde este será reutilizado.

A AMI desenvolveu um projecto que serve de exemplo àquilo que pode ser feito. O encaminhamento de 440 mil consumíveis informáticos e telemóveis para reutilização permitiu angariar 220 mil euros, mostrando assim que este problema pode ao mesmo tempo ser uma oportunidade. Estes fundos foram utilizados no financiamento das Equipas de Rua da AMI, que prestam apoio social e psicológico aos sem-abrigo com o objectivo de melhorar a sua qualidade de vida.

21 de setembro de 2008

A experiência do Amor incondicional

Bede Griffiths - Interview


Padre Bede Griffiths
(mais informações sobre ele aqui)

20 de setembro de 2008


18 de setembro de 2008

Vós que lá vosso Império
prometeis um mundo novo
Cuidado! Que pode o povo
querer um mundo novo a sério!


António Aleixo

2 de setembro de 2008

RAPOSA SERRA DO SOL: Para já.... comemora-se

28/08/2008 (notícia integral aqui)

Indígenas comemoram voto no STF favorável à homologação de Raposa Serra do Sol

Ontem, 27 de agosto, o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Carlos Ayres Britto, votou pela manutenção da homologação da terra Raposa Serra do Sol, no nordeste de Roraima, considerando não-válidos todos os argumentos contrários à demarcação em área contínua. Após o voto de Britto, que é relator do processo que trata da questão, o ministro Carlos Menezes Direito, pediu vistas do processo, por isso, o julgamento foi suspenso para que ele possa analisar melhor o caso.

O voto do relator foi recebido com muita festa pelos indígenas que estavam em Brasília acompanhando o julgamento. “O voto foi muito bom e foi a nosso favor. Agora vamos esperar com tranqüilidade a continuação do julgamento. Os outros ministros também vão votar com a Constituição”, afirmou confiante Dejacir de Silva, do povo Macuxi.

27 de julho de 2008

Boas notícias



The bright side of the world: IM Magazine


Divulgar o melhor que se faz no mundo
para um mundo melhor


A Nestlé volta a fazer das suas...

Nestlé acusada de gastar 65 milhões de euros para espiar a organização ATTAC


Foi descoberto recentemente que, numa altura em que preparava um livro de contestação à Nestlé, um grupo da Attac Suiça trabalhou durante mais de um ano com uma agente da securitas infiltrada a mando da multinacional. A agente participou em reuniões privadas e entregou informações detalhadas sobre os trabalhos, as pessoas envolvidas e as redes de contactos utilizadas pela organização.

Segundo a empresa de segurança, esta não é uma operação ilegal e não há mal nenhum no facto de uma pessoa se apresentar numa organização com um nome falso. Aliás, a empresa tem mesmo uma divisão de informação sobre individuos e organizações e admite a vigilância de alguns movimentos altermundialistas a mando de empresas multinacionais.

Mais um exemplo de que empresas como a Nestlé não respeitam os princípios mais básicos e de que tem de haver um controlo apertado sobre as actividades de empresas de segurança que agem quase como se fossem agências governamentais, mas sem o aborrecimento de ter de cumprir leis.

Vejam o documentário que deu origem a toda a polémica e o comunicado de imprensa da Attac Suiça (em francês)

http://www.tsr.ch/tsr/index.html?siteSect=500000&channel=#bcid=591402;vid=9209403

http://www.suisse.attac.org/Plainte-suite-a-l-espionnage-d
Publicado por ptattac em 17/06/08

21 de julho de 2008



O que ouvimos ontem....




If it be your will
That I speak no more
And my voice be still
As it was before
I will speak no more
I shall abide until
I am spoken for
If it be your will

If it be your will
That a voice be true
From this broken hill
I will sing to you
From this broken hill
All your praises they shall ring
If it be your will
To let me sing
From this broken hill
All your praises they shall ring
If it be your will
To let me sing

If it be your will
If there is a choice
Let the rivers fill
Let the hills rejoice
Let your mercy spill
On all these burning hearts in hell
If it be your will
To make us well

And draw us near
And bind us tight
All your children here
In their rags of light
In our rags of light
All dressed to kill
And end this night
If it be your will

If it be your will.

Cohen em Lisboa - maravilhoso concerto



19 de julho de 2008

Cova da Moura - Filosofia para crianças





Uma pequenina luz

Uma pequenina luz bruxuleante
não na distância brilhando no extremo da
estrada
aqui no meio de nós e a multidão em volta
une toute petite lumière
just a little light
una picolla... em todas as línguas do mundo
uma pequena luz bruxuleante
brilhando incerta mas brilhando
aqui no meio de nós
entre o bafo quente da multidão
a ventania dos cerros e a brisa dos mares
e o sopro azedo dos que a não vêem
só a adivinham e raivosamente assopram.
Uma pequena luz
que vacila exacta
que bruxuleia firme
que não ilumina apenas brilha.
Chamaram-lhe voz ouviram-na e é muda.
Muda como a exactidão como a firmeza
como a justiça.
Brilhando indefectível.
Silenciosa não crepita
não consome não custa dinheiro.
Não é ela que custa dinheiro.
Não aquece também os que de frio se juntam.
Não ilumina também os rostos que se curvam.
Apenas brilha bruxuleia ondeia
indefectível próxima dourada.
Tudo é incerto ou falso ou violento: brilha.
Tudo é terror vaidade orgulho teimosia: brilha.
Tudo é pensamento realidade sensação saber: brilha.
Tudo é treva ou claridade contra a mesma treva: brilha.
Desde sempre ou desde nunca para sempre ou não:
brilha.
Uma pequenina luz bruxuleante e muda
como a exactidão como a firmeza
como a justiça.
Apenas como elas.
Mas brilha.
Não na distância. Aqui
no meio de nós.
Brilha.

Jorge de Sena

12 de julho de 2008

Pela erradicação da Pobreza

A Assembleia da Repúblia discutiu no passado dia 3 de Julho a Petição da CNJP. Grupos parlamentares aprovam proposta que consagra a pobreza como violação de direitos humanos e que obriga à definição de um limiar oficial de pobreza

Os partidos presentes na Assembleia saudaram a iniciativa da Comissão Nacional Justiça e Paz, órgão laico da Igreja Católica em Portugal, pronunciando-se a favor da iniciativa e associando-se à causa, que mereceu a sua aprovação por unanimidade na votação de dia 4 de Julho, no Parlamento.
21 268 assinaturas (em papel) foram entregues ao Parlamento, em Outubro de 2007, solicitando que aquele órgão de soberania reconhecesse que a pobreza é uma violação de direitos humanos, estabelecesse um limiar oficial e criasse um mecanismo parlamentar de observação, acompanhamento e avaliação das políticas públicas para a sua erradicação.

(ler artigo integral)

9 de julho de 2008

CARTA ABERTA DOS LÍDERES INDÍGENAS

Nós, Jacir José de Souza Macuxi e Pierlangela Nascimento da Cunha Wapichana, líderes indígenas enviados por nossas comunidades e organizações à Europa para divulgar a Campanha Anna Pata, Anna Yan, vimos nesta carta relatar e declarar os resultados de nossa visita.

Iniciamos nossa viagem no dia 16 de junho de 2008, e durante três semanas percorremos os países de Espanha, Inglaterra, Bélgica, França, Itália e Portugal. O objetivo era trazer ao conhecimento da sociedade européia e suas autoridades a situação de aflição que se vive hoje na Terra Indígena Raposa Serra do Sol em Roraima e solicitar apóio e solidariedade com nossos povos.
No mês de Agosto, o Supremo Tribunal Federal deverá julgar 34 ações que ainda contestam a homologação de nossa terra, assinada pelo Presidente da República em abril de 2005, fruto de nosso trabalho, nossa união e do sangue de muitos a quem tiraram a vida nestes anos.

Em nossa viagem, fomos recebidos por Autoridades dos diversos Governos nacionais, bem como Representantes Políticos de Parlamentos e pelo Presidente do Senado italiano. Tivemos também audiências com Autoridades da Comissão e do Parlamento Europeu. Todos eles nos receberam como lideranças indígenas, mostrando com este gesto seu respeito e consideração a nossos povos. (...) Encontramos a solidariedade e apóio de respeitadas personalidades, diversas entidades e organizações de reconhecido prestígio por sua defesa dos Direitos Humanos, da Justiça e da Paz em todo o mundo. (...) Recebemos, em particular, o apóio do Papa Bento XVI, em Audiência realizada no dia 02 de Julho, em que lhe entregamos nosso Documento e recebemos dele o compromisso de ajudar na proteção de nossa terra.
Em todas estas visitas e audiências fomos ouvidos com atenção e generosidade, e de todos eles, com a particularidade de cada encontro e cada responsabilidade, recebemos a seguinte mensagem:

1. Uma solidariedade profunda com os Povos Indígenas, com nossa vida e com nossos direitos, historicamente adquiridos e legalmente reconhecidos na Constituição Federal do Brasil de 1988, na Convenção 169 da OIT e na Declaração da ONU de setembro de 2007. Solidariedade e respeito pela diversidade que representamos para o mundo todo e por nossa contribuição com a preservação e cuidado desta Casa Grande que é a Natureza.

2. A solidariedade e apóio firme ao Decreto de Homologação da Terra Indígena Raposa Serra do Sol, assinado pelo Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva em 15 de Abril de 2005, como garantia de nossos direitos e sinal inequívoco de firmeza das instituições brasileiras e da nossa Constituição.

(...)

Agradecemos a todas as Autoridades, personalidades, entidades e organizações que receberam-nos, ouviram nossas palavras e apoiaram nossas comunidades e nossa terra.
Agradecemos especialmente a todas as pessoas e entidades que trabalharam junto a nós nesta viagem. Aquelas pessoas que nos acompanharam desde o início da viagem até o final; aquelas que facilitaram os contatos e audiências em cada país; aquelas que nos proporcionaram hospedagem em suas casas.
Nós, povos indígenas, temos o direito e a liberdade de estabelecer amizade e alianças com outros na defesa de nossa vida e nossa terra. E temos a certeza de que os direitos de cada homem e cada mulher serão garantidos com a união e o trabalho de muitos.

Retornamos ao Brasil, em definitivo, felizes de nossa viagem, esperançados e mais firmes na defesa de nosso povo e de nossa terra.

Lisboa, 07 de julho de 2008

Jacir José de Souza MACUXI
Pierlangela Nascimento da Cunha WAPICHANA
Conselho Indígena de Roraima

8 de julho de 2008

Igreja portuguesa apoia manutenção de reserva da Raposa Serra do Sol

Fátima, Santarém, 06 Jul (Lusa)

O presidente da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) manifestou hoje o seu apoio à causa dos índios da reserva da Raposa Serra do Sol, no Brasil, que têm visto o seu território invadido por fazendeiros.
Em mensagem hoje lida em Fátima durante uma cerimónia na nova Igreja da Santíssima Trindade, D. Jorge Ortiga manifestou o “apoio à causa do Povo Indígena da Raposa Serra do Sol”, criticando os que tentam eliminar aquela reserva indígena.
Actualmente, está em apreciação no Supremo Tribunal Federal do Brasil um recurso contra o decreto de homologação daquele território, cuja criação foi assinada em 2005 pelo presidente Lula da Silva.
Agora, perante a contestação dos fazendeiros, o arcebispo de Braga e líder da CEP espera que a justiça brasileira confirme a decisão do Governo federal, que criou um santuário para os índios, no estado de Roraima.
“Que a anulação da homologação nunca aconteça”, sustentou o prelado, subscrevendo assim um apelo da campanha “Anna Pata Anna Yan” (Nossa Terra, Nossa Mãe), uma iniciativa que junta missionários, índios e defensores das causas indígenas pelo direito daqueles povos a gerir parte do território.
No decreto que criou a reserva, foi dado um prazo de um ano para a saída de todos os não-indígenas da área, mediante contrapartidas do governo federal, mas existem ainda muitos fazendeiros que se recusam a sair e continuam a ocupar grandes áreas do território.
Esta cerimónia religiosa contou com a presença de líderes indígenas e de vários participantes de institutos missionários católicos.

4 de julho de 2008

Jacir e Pierângela com o Papa






Indígenas da Raposa Serra do Sol na RTP!

veja aqui a reportagem do telejornal:

http://ww1.rtp.pt/noticias/index.php?headline=98&visual=25&article=353417&tema=27

Jacir e Pierângela contra a impunidade e a violência

Os indígenas já chegaram a Portugal!

Ontem foram recebido pelo embaixador do Brasil, pela Dra Maria Barroso (Fundação Pro Dignitate) e por vários líderes parlamentares. À noite foi uma tertúlia no Café Santa Cruz em Coimbra.
Hoje há uma importante Conferência de Imprensa na Casa da América Latina em Lisboa e à noite um encontro em Leiria, no Centro Associativo - Mercado Municipal.
Este fim-de-semana haverá vários encontros em Fátima, por ocasião da Peregrinação dos Missionários.
Na segunda-feira há um encontro de manhã no Centro de Estudos Sociais da Univ. de Coimbra e às 19h o encontro/tertúlia no Cupav (Lumiar, Lisboa) já amplamente divulgado neste blog.

2 de julho de 2008

“Filhos da Amazónia – Diário de um jornalista na terra dos índios”

Lançamento do livro em Leiria, 4 de Julho, às 21,30 no Centro Associativo


Sinopse: Um jornalista português autorizado a viver com as tribos indígenas do Norte do Brasil revela o seu diário neste livro. Os sentimentos, as sensações, os imprevistos e as dificuldades de uma viagem ao lugar onde o conceito de tempo, tal como o conhecemos, não existe. Através de uma escrita simples, despida de objectivos literários, Francisco Pedro desafia o leitor a conhecer uma outra realidade: a realidade indígena. O relato entra nas profundezas da Amazónia, para um contacto com os Yanomami, uma das etnias mais emblemáticas da América do Sul. E faz uma incursão pela área da Raposa Serra do Sol, onde há anos se vive um conflito, com vítimas mortais, por causa da demarcação da terra.


Excertos: "Os jovens e adolescentes dão voltas ao carro, curiosos. Parecem felinos. Os homens estão nus, com o pénis atado à cintura com um cordel. Os que ousam chegar mais perto da viatura movem-se com ligeireza. Assemelham-se a um predador a estudar a presa. Qualquer movimento mais brusco é suficiente para os afastar"
"Exceptuando as crianças, são poucos os que ousam estabelecer contacto comigo. A vida continua e eu sou apenas mais um elemento no interior da maloca. Um verdadeiro estranho, sem mulher, sem fogueira, sem um arco para caçar".
"A cinza resultante desta 'cremação' é recolhida pelos parentes e colocada em pequenas cabaças, que são rolhadas e seladas com mel de abelha. Na festa será misturada com papa de banana e consumida pelos convidados, que assim julgam absorver os dons e a força do morto"
"Os adultos reúnem-se ao centro da maloca e recebem do tuxaua a sua dose de yakoana, um pó alucinogénio extraído das plantas, de cor esverdeada. Através de uma cana, com cerca de um metro de comprimento, o pó é soprado para as narinas do voluntário. Os sinais de libertação espiritual demoram pouco a manifestar-se"


O autor: Francisco Pedro nasceu no ano de 1964, em Pousos, Leiria. É jornalista há 15 anos. O interesse pela cultura indígena levou-o a visitar a comunidade Yanomami, nas profundezas da Amazónia brasileira. E a partilhar os problemas das tribos Macuxi e Wapichana, junto às fronteiras com a Venezuela e a Guiana. Na Colômbia, ignorou os perigos do conflito armado e subiu à Cordilheira Central Andina para contactar directamente com a luta dos povos Nasa e Guambiano. Em território marroquino, deambulou pelas áridas montanhas do Atlas para registar uma das principais tradições berberes: o festival das noivas. Destas aventuras resultaram várias reportagens que publicou em revistas e jornais de expansão nacional e internacional.

Os índios são recebidos por Bento XVI

O Papa garantiu hoje aos dois líderes indígenas brasileiros que "tudo fará" para ajudar e proteger as suas terras na reserva da Raposa Serra do Sol, segundo noticiou hoje a rádio Vaticano.

Na véspera de se deslocarem a Portugal para divulgar a campanha de defesa do direito da terra "Anna Pata, Anna Yan" (Nossa Terra, Nossa Mãe) e denunciar as violações e crimes de que dizem ser alvo na reserva Raposa Serra do Sol, em Roraima, Norte do Brasil, os dois delegados entregaram uma carta ao Pontífice apelando à sua intervenção no conflito.
"Faremos tudo o possível para vos ajudar a protegerem as vossas terras", afirmou Bento XVI, durante o encontro que foi mantido em sigilo a pedido do Vaticano, segunda adiantou a mesma rádio.
A reserva indígena da Raposa Serra do Sol tem sido alvo de disputa entre tribos indígenas e seis grandes fazendeiros, que ocupam cerca de seis mil hectares do território e se recusam a sair, considerando que os índios "apenas atrapalham o progresso".
Jacir José de Souza, de 61 anos, da tribo Makuxi, e Pierlangela Cunha, de 32, da tribo Wapixana, coordenadora das escolas da reserva Raposa Serra do Sol, foram nomeados pelo Conselho Indígena de Roraima como representantes dos seus povos, e desde 16 de Junho viajam pela Europa para sensibilizar os governos e organizações para a sua causa.

1 de julho de 2008

No dia 7 de Julho
vai realizar-se um Encontro/Tertúlia
com Dois Líderes Indígenas da Amazónia Brasileira
(da área indígena Raposa Serra do Sol, no Estado de Roraima,)
em Lisboa
no salão do CUPAV
(Centro Universitário Padre António Vieira
- Estrada da Torre, nº26, ao lado do Colégio S. João de Brito, metro LUMIAR)
pelas 19h.

O encontro terá o seguinte programa:

  • 19h - 20h30: encontro com os indígenas Jacir e Pierângela
  • 20h30 - 21h: pausa para sopa e bolinhos
  • 21h - 22h30: Campanha de Assinaturas e formação de uma Plataforma de Solidariedade com a luta dos indígenas da Raposa Serra do Sol.


Para divulgar a situação injusta que estão a viver na área indígena Raposa Serra do Sol, uma delegação de índios da região amazónica da Raposa Serra do Sol está em digressão pela Europa, em campanha contra a impunidade e a violência.
Jacir José de Souza (liderança Makuxi do Conselho Indígena de Roraima - CIR) e Pierlângela Nascimento da Cunha (liderança Wapichana, Coordenadora da Organização dos Professores Indígenas de Roraima - OPIR), que representam todos os índios que lutam pelas suas terras na Raposa/Serra do Sol, vêm divulgar pela Europa a exigência de que o Supremo Tribunal Federal ratifique o decreto-lei de 2005, homologado por Lula da Silva, que reconhece a posse indígena da terra e decreta a expulsão dos arrozeiros que ilegalmente ocuparam as terras indígenas.
Nas palavras de Pierlângela: "Vemos todos os dias como se discute no mundo todo questões como aquecimento global, a água, e nós estamos a ver tudo isso ser destruído na nossa terra".
A embaixada indígena está neste momento em Itália, depois ter estado vários dias em Espanha, Inglaterra e Bélgica procurando recolher apoios para a sua causa.
Chegam a Portugal a 3 de Julho para apresentar a campanha «Anna Pata Anna Yan», isto é, «Nossa Terra, Nossa Mãe».
Estão a organizar-se encontros entre os índios e os líderes políticos portugueses, tal como iniciativas de divulgação na comunicação social e para o grande público.
É neste contexto que, no dia 7 de Julho, haverá o encontro no CUPAV.
Venham!

17.06.2008
DOCUMENTO FINAL
Assembléia Extraordinária dos Povos Indígenas de Roraima


EXCERTO DA CARTA DA RAPOSA SERRA DO SOL E DOS POVOS INDÍGENAS DO ESTADO DE RORAIMA

Nós, povos indígenas reunidos nos dias 10 a 13 de junho de 2008, no Centro Indígena de Formação e Cultura Raposa Serra do Sol, após discutirmos sobre a Terra Indígena Raposa Serra do Sol com o tema "Anna pata anna yan" Nossa Terra Nossa Mãe, vimos apresentar nossas demandas, propostas, sugestões e reivindicações amparadas pela Constituição Brasileira.



1. Nossa Terra é nossa Mãe, não se tira os filhos de sua mãe;

2. A Terra Indígena Raposa Serra do Sol - RR é relevante para todos os povos indígenas de Roraima e do Brasil, fundamental para a consolidação dos Direitos Humanos.

4. Hoje somamos 19.025 (dezenove mil e vinte cinco) populações indígenas daqui a alguns anos seremos mais, e a terra continuará a mesma. Durante trinta anos a terra foi estudada e analisada passando por todos os processos legais e judiciais, finalmente no ano de 2005 Raposa Serra do Sol foi declarada posse permanente dos povos indígenas confirmando o direito de usufruto exclusivo conforme o parágrafo 2º da CF e através da portaria 534 /05-MJ e homologada pelo decreto presidencial de 15/04/2005, obedecendo os dispositivos amparados nos artigos 231 e 232 da Constituição Federal de 1988;

5. Apesar da nossa terra Raposa Serra do Sol está regularizada e legalizada ainda sofremos e vivemos sob ameaças, ataques, tentativa de homicídios, intranqüilidades com sons em altos volumes, transito de motoqueiros alcoolizados e pistoleiros armados. Crimes estes cometidos continuamente contra as comunidades indígenas, intensificado ainda mais, após a suspensão da operação UPATAKON 3. Os que continuam provocando esses atos de violência são os mesmo que atacaram os irmãos indígenas no dia 05/05/08 com tiros e bombas caseiras;

15. A 37 (trinta e sete ) anos de luta, sofrimentos e opressão vemos nossos direitos sendo violados e transgredidos. Esperamos pacientemente e confiantes na justiça Brasileira na esperança de vermos nossa terra livre de invasores e malefícios.


(leitura integral do documento)

29 de junho de 2008

ÍNDIOS OBTÊM APOIO DE DANIELLE MITTERAND

28­/06/­2008 CAMPANHA ANNA PATA, ANNA YAN

Depois de parlamentares europeus e de líderes políticos britânicos, os índios da reserva indígena Raposa Serra do Sol (RR) que buscam apoio na luta pela homologação de suas terras pelo Supremo Tribunal Federal (STF) conquistaram ontem, em Paris, o suporte de um dos ícones da esquerda mundial, Danielle Mitterrand.

Entre militantes pró-direitos humanos e ambientalistas, a ex-primeira-dama da França na gestão de François Mitterrand fez defesa veemente da causa dos indígenas no Brasil.

(ler todo o artigo de Andrei Netto aqui)

26 de junho de 2008

Raposa Serra do Sol

O vídeo da violência do dia 5 de Maio.

25 de junho de 2008

24­/06/­2008 CAMPANHA ANNA PATA, ANNA YAN

Veja aqui estas diversas notícias:
- A EMBAIXADA BRASILEIRA EM LONDRES APOIA AS LIDERANÇAS INDIGENAS EM CAMPANHA

- REPRESENTANTES DO PRINCIPE CHARLES DA INGLATERRA OUVEM LIDERANÇAS INDIGENAS

- ENTIDADES OFERECEM APOIO À CAMPANHA ANNA PATA, ANNA YAN

PRIMEIRO DIA DE CAMPANHA EM INGLATERRA

23/06/2008 CAMPANHA ANNA PATA, ANNA YAN


Em menos de 24 horas em Londres encontramos quatro brasileiros/as. No ônibus, no metrô, no aeroporto ou em um restaurante, servindo as mesas. Londres, cidade cosmopolita como poucas, recebe também o sonho de milhares de brasileiros e brasileiras. É aqui onde também chegaram Jacir José de Souza e Pierlângela Nascimento da Cunha, lideranças indígenas de Roraima, “para lançar uma Campanha, indígenas, para defender nossa terra”, responde Pierlângela à pergunta da jovem mineira que trabalha no Restaurante.

O primeiro dia de Campanha centrou-se em atender aos meios de comunicação. De manhã cedo, Jacir e Pierlângela eram entrevistados pelo grupo Pulse Films, como parte de um Documentário maior que este grupo está realizando sobre os movimentos resistentes aos processos de exclusão e resistência no mundo.

Depois, Jacir e Pierlângela atenderam à Agência EFE, uma das principais agências de noticia europeias e ao sector de Comunicação da entidade inglesa CAFOD, de grande trajectória na defesa dos direitos humanos.

As lideranças indígenas atenderam hoje também aos média brasileiros. A Revista Leros e a revista Forestdrums (Tambores da Floresta), publicações londinenses para a população brasileira.

A repercusão que a Campanha Anna Pata, Anna Yan está tendo nos média europeus é importante e uma oportunidade para colocar o problema tal qual ele é, sem os discursos já viciados tantas vezes dentro do Brasil.

A CAMPANHA ANNA PATA ANNA YAN CHEGA À EXPOSIÇÃO INTERNACIONAL DA ÁGUA

21­/06/­2008 CAMPANHA ANNA PATA, ANNA YAN


A cidade espanhola de Saragoza acolhe este ano a Exposição Internacional com o tema Água e Desenvolvimento Sustentável. Um total de 105 países têm representação nesta Exposição, com expressões e actividades que giram em torno do tema da Água.

As lideranças indígenas de Roraima Jacir e Pierlângela participaram no dia 21 num encontro no Pavilhão El Faro, espaço dentro da Expo dirigido a mostrar as desigualdades no acesso à água potável, a acção poluidora do homem e a necessidade de chegarmos a consensos no sentido da preservação e democratização da água.

(ler todo o artigo aqui)

O EMBAIXADOR BRASILEIRO EM ESPANHA RECEBE LIDERANÇAS INDÍGENAS DE RORAIMA

20/06/2008 CAMPANHA ANNA PATA, ANNA YAN


Jacir José de Souza e Pierlângela Nascimento da Cunha, lideranças indígenas de Roraima, foram recebidas na sexta-feira dia 20, pelo Embaixador brasileiro em Madrid, senhor José Viegas Filho.
Acompanhado pelo seu assessor, João Marcelo Pires, o Embaixador ouviu das lideranças a situação que se vive actualmente na Raposa Serra do Sol e o impasse gerado perante a decisão que o Supremo Tribunal Federal deverá tomar até Agosto sobre a homologação daquele território.
O Embaixador, que foi Ministro da Defesa do Governo Lula nos anos de 2003 e 2004, afirmou durante o encontro que o argumento do risco à soberania nacional (argumento normalmente usado contra os indígenas e a homologação das suas terras) "se demonstrou falso". José Viegas Filho agradeceu a iniciativa do CIR (Conselho Indígena de Roraima) de pedir esta audiência, e aprovou a iniciativa das lideranças de visitar as Embaixadas brasileiras nos diversos países que fazem parte da sua viagem por Europa.
Durante todo o dia, Pierlângela e Jacir continuaram atendendo vários meios de comunicação brasileiros, espanhóis e argentinos.

20 de junho de 2008

19/06/2008 CAMPANHA ANNA PATA, ANNA YAN

A COOPERAÇÃO E O DIÁLOGO MARCAM ENCONTROS DE LIDERANÇAS INDIGENAS COM AUTORIDADES ESPANHOLAS


Representantes da Agência Espanhola de Cooperação Internacional (AECI) e do gabinete da Secretaria de Estado de Cooperação Internacional do Governo espanhol receberam hoje às lideranças indígenas Jacir José de Souza y Pierlângela Nascimento da Cunha. (...)

Também hoje, às 13:00 horas, as lideranças reuniram-se com a Comissão Parlamentar de Cooperação Internacional do Congresso dos Deputados. A Comissão, formada por porta-vozes dos diversos partidos políticos espanhóis, após ter ouvido o relato das lideranças e ter aberto um diálogo com eles para compreender melhor a atual situação, comprometeu-se a assinar, em nome de seus partidos políticos, uma carta que será enviada ao Governo Federal e aos ministros do Supremo Tribunal Federal. Afirmaram também que no mês de Setembro apresentarão a situação ao Plenário do Congresso dos Deputados, independentemente de qual tenha sido a decisão do Supremo Tribunal Federal. Agradeceram a visita das lideranças indígenas e declararam que para eles era um dever recebê-los “e um dever muito grato, poder ouvir diretamente de vocês a situação que estão vivendo”.
Mais notícias:
- O PRESIDENTE DA FUNAI CONVERSA POR TELEFONE COM LIDERANÇAS INDIGENAS NA ESPANHA


- LIDERANÇAS INDIGENAS DE OUTROS PAISES MOSTRAM SUA SOLIDARIEDADE À CAMPANHA ANNA PATA, ANNA YAN


(leia os artigos integralmente aqui)

19 de junho de 2008

18/06/2008 CAMPANHA ANNA PATA, ANNA YAN


LIDERANÇAS INDÍGENAS PARTICIPAM EM CONFERÊNCIA DE IMPRENSA EM ESPANHA

"Vemos todos os dias como se discute no mundo todo questões como o aquecimento global, a água, ..., e nós estamos vendo tudo isso que está sendo destruído em nossa terra". "A terra é nossa vida, dela tiramos tudo o que precisamos. E o mundo também precisa de nós, povos indígenas, porque nosso trabalho de preservação é algo que dividimos com o mundo todo".

LIDERANÇAS INDIGENAS SÃO RECEBIDOS NA VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO ESPANHOL

Jacir José de Souza e Pierlângela Nascimento da Cunha foram recebidos hoje em Moncloa (Palácio do Governo espanhol) por dois representantesdo Gabinete da Primeira Vicepresidenta do Governo de Espanha.
(leia estas notícias aqui)

16 de junho de 2008

VIAGEM DE LÍDERES INDÍGENAS DA RAPOSA SERRA DO SOL À EUROPA

ver posts sobre a Raposa Serra do Sol aqui, aqui, aqui e aqui


Campanha “Anna Pata, Anna Yan”
(Nossa Terra, Nossa Mãe)



Jacir com o Papa João Paulo II


I - Objectivos da viagem:

- Divulgar a campanha “Anna Pata, Anna Yan” (Nossa Terra, Nossa Mãe) para dar a conhecer a situação da Terra Indígena Raposa Serra do Sol e para que assim possa a sociedade europeia manifestar o seu apoio e solidariedade com as comunidades indígenas da RSS.

- Sensibilizar e incidir (“Advocacy”) em entidades e organizações significativas europeias para que manifestem o seu apoio aos povos indígenas da RSS e expressem a sua preocupação e pressionem (com cartas e comunicados) às autoridades brasileiras (Governo e Ministros), para que mantenham o decreto de Homologação da TIRSS (assinado pelo Presidente Lula em 2005 - ver história da RSS aqui) e retirem imediatamente todos os invasores não-indígenas da área.

- Possíveis apoios económicos para a mobilização e fortalecimento indígena da região.




II - Alvos e níveis a atingir:

- Nível político dos países europeus. Também é importante que as Embaixadas e Consulados do Brasil na Europa tomem conhecimento de todas as actividades e possam assim informar as autoridades brasileiras.

- Nível intelectual: Universidades, intelectuais e outros fóruns de investigação e divulgação de conhecimento.

- Nível das ONGs, entidades e redes de cooperação e solidariedade.

- Nível dos MCS: Televisão, Rádio, Jornais, Revistas, etc.

- Artistas e personalidades relevantes da sociedade.




III - Data da viagem:

16/06 a 08/07 de 2008.




IV - Líderes que viajam:


- Jacir José de Souza, liderança Makuxi do Conselho Indígena de Roraima (CIR).

- Pierlangela Nascimento da Cunha, liderança Wapichana, Coordenadora da Organização dos Professores Indígenas de Roraima (OPIR).

- Luis Ventura, antropólogo espanhol, vai acompanhar os líderes indígenas na viagem pela Europa. Luis e sua esposa Ester trabalharam no “Centro de Formação e Cultura da Raposa Serra do Sol” durante seis anos.



V - Programa:

16/06/08 Viagem de ida: Boa Vista (Brasil) – Madrid (Espanha)

17-22/06/08 Espanha
Entidades: Caritas Española, Manos Unidas, Entreculturas, Survival e a confirmar Amnistia Internacional.

22-25/06/08 Inglaterra
Entidades: Survival, Green Peace, Amnistia Internacional, CAFOD, etc.

25-29/06/08 Bélgica e França
Entidades: Parlamento Europeu, Survival e outras ainda a definir.

29/06 a 03/07/08 Itália
Entidades: ainda a definir

03-08/07/08 Portugal
Entidades: ainda a definir

(sobre o programa em Portugal, irão sendo publicadas actualizações neste blog)

08/07/08 Viagem de volta: Lisboa (Portugal) - Boa Vista (Roraima, Brasil)


Notícia da morte de Alberto da Silva (poema dramático para muitas vozes)

Eis aqui o morto
chegado a bom porto

Eis aqui o morto
como um rei deposto

Eis aqui o morto
com seu terno curto

Eis aqui o morto
com seu corpo duro

Eis aqui o morto
enfim no seguro


II

De barba feita, cabelo penteado
jamais esteve tão bem arrumado

De camisa nova, gravata borboleta
parece até que vai para uma festa

No rosto calmo, um leve sorriso
nem parece aquele mais-morto-que-vivo

Imóvel e rijo assim como o vês
parece que nunca esteve tão feliz

III

Morava no Méier desde menino
Seu grande sonho era tocar violino

Fez o curso primário numa escola pública
quanto ao secundário resta muita dúvida

Aos treze anos já estava empregado
num escritório da rua do Senado

Quando o pai morreu criou os irmãos
Sempre foi um homem de bom coração

Começou contínuo e acabou funcionário
Sempre eficiente e cumpridor do horário

Gostou de Nezinha, de cabelos longos,
que um dia sumiu com um tal de Raimundo

Gostou de Esmeralda uma de olhos pretos
Ela nunca soube desse amor secreto

Endoidou de fato por Laura Marlene
que dormiu com todos menos com ele

Casou com Luísa, que morava longe,
não tinha olhos pretos nem cabelos longos

Apesar de tudo, foi bom pai de família
sua casa tinha uma boa mobília

Conversava pouco mas foi bom marido
Comprou televisão e um rádio transístor

Não foi carinhoso com a mulher e a filha
mas deixou para elas um seguro de vida

Morreu de repente ao chegar em casa
ainda com o terno puído que usava

Não saiu notícia em jornal algum
Foi apenas a morte de um homem comum

E porque ninguém noticiou o fato
Fazemos aqui este breve relato

IV

Não foi nada de mais, claro, o que aconteceu:
apenas um homem, igual aos outros, que morreu

Que nos importa agora se quando menino
O seu grande sonho foi tocar violino?

Que nos importa agora quando o vamos enterrar
se ele não teve sequer tempo de namorar?

Que nos importa agora quando tudo está findo
se um dia ele achou que o mar estava lindo?

Que nos importa agora se algum dia ele quis
Conhecer Nova York, Londres ou Paris?

Que nos importa agora se na mente confusa
ele às vezes pensava que a vida era injusta?

Agora está completo, já nada lhe falta:
nem Paris nem Londres nem os olhos de Esmeralda

V

Mas é preciso dizer que ele foi como um fio
d’água que não chegou a ser rio

Refletiu no seu curso o laranjal dourado
sem que nada desse ouro lhe fosse dado

Refletiu na sua pele o céu azul de outubro
e as esplendentes ruínas do crepúsculo

E agora, quando se vai perder no mar imenso,
tudo isso, nele, virou rigidez e silêncio:

toda palavra dita, toda palavra ouvida
todo riso adiado ou esperança escondida

toda fúria guardada, todo gesto detido
o orgulho humilhado, o carinho contido

o violino sonhado, as nuvens, a espuma
das nebulosas, a bomba nuclear
agora nele são coisa alguma

VI

Mas no fim do relato é preciso dizer
que esse morto não teve tempo de viver

Na verdade vendeu-se, não como Fausto, ao Cão:
vendeu sua vida aos seus irmãos

Na verdade vendeu-a, não como Fausto, a prazo:
vendeu-a à vista, ou melhor, deu-a adiantado

Na verdade vendeu-a, não como Fausto, caro:
vendeu-a barato e, mais, não lhe pagaram

VII

Enfim este é o morto
agora homem completo:
só carne e esqueleto

Enfim este é o morto
totalmente presente:
unha, cabelo, dente

Enfim este é o morto:
um anônimo brasileiro
do Rio de Janeiro
de quem nesta oportunidade
damos notícia à cidade

Ferreira Gullar

14 de junho de 2008

O Segredo de um Cuscuz


Em português: O Segredo de um Cuscuz

Título original: La Graine et le Mulet
De: Abdel Kechiche
Com: Habib Boufares, Hafsia Herzi, Farida Benkhetache

FRA, 2007, Cores, 151 min.

http://www.lagraineetlemulet-lefilm.com/

13 de junho de 2008

With God on our side



Oh my name it is nothin'
My age it means less
The country I come from
Is called the Midwest
I's taught and brought up there
The laws to abide
And that land that I live in
Has God on its side.

Oh the history books tell it
They tell it so well
The cavalries charged
The Indians fell
The cavalries charged
The Indians died
Oh the country was young
With God on its side.

Oh the Spanish-American
War had its day
And the Civil War too
Was soon laid away
And the names of the heroes
I's made to memorize
With guns in their hands
And God on their side.

Oh the First World War, boys
It closed out its fate
The reason for fighting
I never got straight
But I learned to accept it
Accept it with pride
For you don't count the dead
When God's on your side.

When the Second World War
Came to an end
We forgave the Germans
And we were friends
Though they murdered six million
In the ovens they fried
The Germans now too
Have God on their side.

I've learned to hate Russians
All through my whole life
If another war starts
It's them we must fight
To hate them and fear them
To run and to hide
And accept it all bravely
With God on my side.

But now we got weapons
Of the chemical dust
If fire them we're forced to
Then fire them we must
One push of the button
And a shot the world wide
And you never ask questions
When God's on your side.

In a many dark hour
I've been thinkin' about this
That Jesus Christ
Was betrayed by a kiss
But I can't think for you
You'll have to decide
Whether Judas Iscariot
Had God on his side.

So now as I'm leavin'
I'm weary as Hell
The confusion I'm feelin'
Ain't no tongue can tell
The words fill my head
And fall to the floor
If God's on our side
He'll stop the next war.

7 de junho de 2008

340.000 assinaturas

No dia 4 de Junho, O Secretário Geral da ONU reuniu-se com os Representantes da Sociedade Civil para receber a Petição que apelava para uma acção imediata sobre a crise alimentar.

A petição Co-organizada pela Pobreza Zero/Apelo Global à Acção Contra a Pobreza - GCAP e Avaaz, foi entregue com um total de 340.000 assinaturas, exigindo o esforço de todas as Organizações e Governos para agir imediatamente sobre as causas enraizados na crise alimentar.

"Eu estou muito satisfeito com todo o consenso a que se chegou e na séria preocupação que está a ser mostrada pelos líderes mundiais. É muito útil para nós ter esta petição para mostrar o compromisso e envolvimento de pessoas de todo o mundo", disse Ban Ki-moon, secretário geral da ONU no momento que recebeu a nossa delegação na FAO.

A petição pode ser assinada "online" no site http://www.pobrezazero.org/

Lembramos que há em todo o mundo cerca de 850 milhões de pessoas com fome, um número que poderá aumentar em mais 100 milhões devido a esta crise.

(ler todo o artigo)


5 de junho de 2008

2 de junho de 2008

As crises e a lucidez

Saibamos tirar proveito das crises. (…)

Ao longo da minha vida, cheguei à conclusão de que as catástrofes existem para nos evitar o pior. E o pior (…) é ter tido a infelicidade de ter atravessado a vida sem naufrágios, é ter ficado à superfície das coisas, ter patinado no pântano do diz que diz, das aparências, e nunca ter sido precipitado numa outra dimensão. As crises, na sociedade em que vivemos, são realmente o que ela tem de melhor – mesmo correndo o risco de nos projectarem, sem estarmos preparados para isso – para entrarmos na outra dimensão. Na nossa sociedade, toda a ambição, toda a concentração está em desviar a nossa atenção de tudo aquilo que é importante, criando-se um sistema de arame farpado, de proibições para não podermos ter acesso à nossa profundidade.

Trata-se de uma imensa conspiração, da mais gigantesca conspiração de uma civilização contra a alma, contra o espírito. Numa sociedade onde tudo está fechado, onde os caminhos para entrar na profundidade não são indicados, existe apenas a crise para podermos quebrar os muros à nossa volta. A crise serve de certo modo como arma para arrombar as portas dessas fortalezas onde nos mantemos encarcerados, com todo o arsenal da nossa personalidade, tudo aquilo que pensamos ser.
Recentemente, numa auto-estrada periférica de Berlim, onde existem sempre engarrafamentos terríveis, um Tager* genial inscreveu numa ponte a seguinte fórmula (...): “desengana-te, não estás num engarrafamento, o engarrafamento és tu!”

(…) Como funciona a crise? Poderíamos utilizar a palavra retorno, mudança. O que é que se passa na crise? Passa-se mais ou menos isto, uma voz dirige-se a si e diz-lhe: “Construíste uma vida, sim, muito bem, então, agora, destrói-a; construíste uma personalidade, fantástico, muito bem, destrói-a; lutaste muito, foste corajoso, de uma coragem extraordinária, mas a hora da rendição chegou, ajoelha-te!

Christiane Singer, O lado positivo das crises (recolha de textos de conferências).


*Tager - do inglês, tager é aquele que escreve tags - frases/mensagens nas paredes.

Debate: “Os actuais desafios do Comércio Justo”

No Sábado dia 7 de Junho poderá participar, entre as 15h00 e as 16h30, num debate sobre a actualidade do movimento do Comércio Justo, inserido na iniciativa Os Dias do Desenvolvimento


Este debate é promovido pelo CIDAC (Lisboa), a Ecos do Sul (Damaia) e a Mó de Vida (Almada), organizações que representam o Espaço por um Comércio Justo (ECJ) em Portugal - uma rede de âmbito ibérico que defende um Comércio Justo assente na Economia
Solidária e na defesa da Soberania Alimentar, negando por exemplo a venda nas grandes superfícies ou parcerias com as multinacionais.

A discussão será centrada nas interdependências entre Comércio Justo, Soberania Alimentar e circuitos comerciais curtos, como factores de transformação social e preservação ambiental, numa visão que vai muito além do Comércio Justo estritamente Sul/Norte.

Este debate realiza-se no âmbito da iniciativa do IPAD (Instituto Português de Apoio ao Desenvolvimento) – Os Dias do Desenvolvimento (http://www.diasdodesenvolvimento.org/), a decorrer entre 5 e 7 de Junho no Centro de Congressos de Lisboa, onde a Rede ECJ estará presente com produtos e informações sobre Comércio Justo.

A Rede ECJ (http://www.espaciocomerciojusto.org/), que reúne cerca de 40 organizações em Portugal e Espanha, defende os princípios do Comércio Justo para todos os actores da cadeia comercial, incluindo a produção, transformação, distribuição, comercialização e consumo.

Para esclarecimentos ou informações adicionais não hesite em nos contactar:

  • Lina Afonso, CIDAC (http://www.cidac.pt/), edla@cidac.pt , 213 172 860
  • Carla Soares, Ecos do Sul, ecosdosul@net.novis.pt, 214 767 750
  • Carlos Gomes, Mó de Vida (http://www.modevida.com), modevida@modevida.com, 212 720641 / 914 035 720

1 de junho de 2008

O Cardeal Martini pede uma reforma da Igreja

"La Iglesia debe tener el valor de reformarse". Ésta es la idea fuerza del cardenal Carlo Maria Martini (Turín, 1927), uno de los grandes eclesiásticos contemporáneos.

Con elogios al reformador protestante Martín Lutero, el cardenal le pide a la Iglesia católica "ideas" para discutir hasta la posibilidad de ordenar a viri probati (hombres casados, pero de probada fe), y a mujeres.

También reclama una encíclica que termine con las prohibiciones de la Humanae Vitae, emitida por Pablo VI en 1968 con severas censuras en materia de sexo.

El cardenal Martini ha sido rector de la Universidad Gregoriana de Roma, arzobispo de la mayor diócesis del mundo (Milán) y papable. Es jesuita, publica libros, escribe en los periódicos y debate con intelectuales. En 1999 pidió ante el Sínodo de Obispos Europeos la convocatoria de un nuevo concilio para concluir las reformas aparcadas por el Vaticano II, celebrado en Roma entre 1962 y 1965.

Ahora vuelve a la actualidad porque se publica en Alemania (por la editorial Herder) el libro Coloquios nocturnos en Jerusalén, a modo de testamento espiritual del gran pensador. Lo firma Georg Sporschill, también jesuita.

Sin tapujos, lo que reclama Martini a las autoridades del Vaticano es coraje para reformarse y cambios concretos, por ejemplo, en las políticas del sexo, un asunto que siempre desata los nervios y las iras en los papas desde que son solteros.

El celibato, sostiene Martini, debe ser una vocación porque "quizás no todos tienen el carisma". Espera, además, la autorización del preservativo. Y ni siquiera le asusta un debate sobre el sacerdocio negado a las mujeres porque "encomendar cada vez más parroquias a un párroco o importar sacerdotes del extranjero no es una solución". Le recuerda al Vaticano que en el Nuevo Testamento había diaconisas.

(...)

Sobre la homosexualidad, el cardenal dice con sutileza: "Entre mis conocidos hay parejas homosexuales, hombres muy estimados y sociales. Nunca se me ha pedido, ni se me habría ocurrido, condenarlos".

Martini aparece en el libro con toda su personalidad a cuestas, de una curiosidad intelectual sin límites. Hasta el punto de reconocer que cuando era obispo le preguntaba a Dios: "¿Por qué no nos ofreces mejores ideas? ¿Por qué no nos haces más fuertes en el amor y más valientes para afrontar los problemas actuales? ¿Por qué tenemos tan pocos curas?"

Hoy, retirado y enfermo - acaba de dejar Jerusalén, donde vivía dedicado a estudiar los textos sagrados, para ser atendido por médicos en Italia -, se limita a "pedir a Dios" que no le abandone.
(...)

Desde Jerusalén la vida se ve de otra manera, sobre todo las parafernalias de Roma. Martini lo cuenta así:

"Ha habido una época en la que he soñado con una Iglesia en la pobreza y en la humildad, que no depende de las potencias de este mundo. Una Iglesia que da espacio a las personas que piensan más allá. Una Iglesia que transmite valor, en especial a quien se siente pequeño o pecador. Una Iglesia joven. Hoy ya no tengo esos sueños. Después de los 75 años he decidido rogar por la Iglesia".

(...)

ver o texto completo de JUAN G. BEDOYA (25-05-2008) aqui.